Notícias

Secretaria de Saúde segue nova estratégia de vacinação da COVID-19 em 2024

11/01/2024

A meta do município é atingir 90% de cobertura vacinal.

 

Em 2024 a Secretaria de Saúde de Guarapuava seguirá uma nova estratégia de vacinação contra a COVID-19. A ação que é desenvolvida pelo Ministério da Saúde, busca  o reforço contra o Coronavírus e a introdução do imunizante para crianças com menos de 5 anos de idade no calendário nacional de vacinação.

 

“É muito importante seguir o calendário vacinal estipulado pelo Ministério da Saúde. É ele que orienta e avalia quais são os melhores esquemas de vacinação para cada grupo. E ainda vale ressaltar que as pessoas precisam tomar suas vacinas e o reforço delas. É por meio das vacinações que conseguimos evitar a propagação da COVID-19 e as perdas que o vírus ocasiona”, enfatizou a secretária de saúde Chayanne Andrade Ceroni.

 

Para 2024 a vacina contra a COVID-19 apresenta duas situações distintas. A primeira é realizar reforço para pessoas acima de cinco anos de idade e que estejam incluídas nos grupos prioritários. Já a segunda estratégia é a introdução do imunizante contra a COVID-19 para crianças menores de cinco anos na rotina do calendário básico.

 

A estratégia que é estipulada pelo Ministério da Saúde tem o objetivo de aumentar a cobertura vacinal da população prioritária. Neste caso, são considerado grupos prioritários:

 

  • Pessoas de 60 anos ou mais 
  • Pessoas vivendo em instituições de longa permanência (ILPI e RI), e seus trabalhadores 
  • Pessoas imunocomprometidas
  • Indígenas 
  • Ribeirinhos
  • Quilombolas
  • Gestantes e puérperas 
  • Trabalhadores da saúde 
  • Pessoas com deficiência permanente 
  • Pessoas com comorbidades
  • Pessoas privadas de liberdade com mais de 18 anos
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade 
  • Adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas 
  • Pessoas em situação de rua 

 

Gestantes, pessoas imunocomprometidas acima de 5 anos e idosos com mais de 60 anos devem ser vacinados a cada seis meses. Os demais grupos deverão receber o reforço da vacina bivalente uma vez ao ano.

 

O intervalo mínimo para receber a dose de vacina de reforço é de seis meses após a última dose.

 

Pessoas com comorbidades precisam apresentar uma comprovação, neste caso, apresentação de medicamentos em uso, resultados de exames, receitas médicas, relatórios/declarações médicas ou qualquer outro documento que evidencie a situação de comorbidade do indivíduo.

 

Situação de comorbidade do indivíduo, conforme lista abaixo:

 

  • Diabetes mellitus
  • Pneumopatias crônicas graves
  • Hipertensão Arterial Resistente (HAR)
  • Hipertensão arterial estágio 3
  • Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo 
  • Insuficiência cardíaca (IC) 
  • Cor pulmonale e Hipertensão pulmonar 
  • Cardiopatia hipertensiva
  • Síndromes coronarianas 
  • Valvopatias
  • Miocardiopatias e Pericardiopatias 
  • Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas 
  • Arritmias cardíacas 
  • Cardiopatias congênitas em adultos 
  • Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados 
  • Doenças neurológicas crônicas e distrofias musculares
  • Doença renal crônica
  • Hemoglobinopatias e disfunções esplênicas graves
  • Obesidade mórbida 
  • Síndrome de Down e outras trissomias 
  • Doença hepática crônica 

 

Já imunossuprimidos necessitam de comprovação com apresentação de medicamentos em uso, resultados de exames, receitas médicas, relatórios/declarações médicas ou qualquer outro documento que evidencie a situação do imunocomprometimento do indivíduo.

 

Se enquadram como imunossupressão:

 

  • Pessoas transplantadas de órgão sólido ou de medula óssea 
  • Pessoas vivendo com HIV (PVHIV)
  • Pessoas com doenças inflamatórias imunomediadas em atividade e em uso de corticoides em doses maiores que 20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por mais de 14 dias
  • Crianças: doses de prednisona, ou equivalente, maior que 2mg/Kg/dia por mais de 14 dias até 10Kg 
  • Pessoas em uso de imunossupressores e/ou imunobiológicos que levam à imunossupressão 
  • Pessoas com erros inatos da imunidade (imunodeficiências primárias) 
  • Pessoas com doença renal crônica em hemodiálise
  • Pacientes oncológicos que realizam ou realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico e estão em acompanhamento
  • Pessoas com neoplasias hematológicas.

 

As vacinas utilizadas vão depender da faixa etária e da disponibilidade de doses fornecidas pelo Ministério da Saúde.

 

VACINAÇÃO PARA CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS

 

Conforme Nota Técnica 18/2023 – CGICI/DPNI/SVSA/MS que trata da incorporação de vacinas da COVID-19 no Calendário Nacional de Vacinação Infantil, para crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade a partir de 1 de janeiro de 2024 devem seguir o seguinte calendário:

 

Imunizante: Pfizer Baby

  • 1ª dose: seis meses
  • 2ª Dose: sete meses
  • 3ª Dose: nove meses

 

Será realizado resgate de crianças não vacinadas até 4 anos, 11 meses e 29 dias que ainda não receberam o imunizante em tempo oportuno.

 

POPULAÇÃO GERAL (acima de cinco anos de idade sem comorbidades)

 

Aqueles que não tenham sido vacinados anteriormente ou que tenham recebido apenas uma dose da vacina contra a COVID-19 poderão optar por se vacinar, iniciar ou completar o esquema primário de vacinação. 

 

O esquema consiste em duas doses da vacina contra a COVID-19 disponível e recomendada para a idade, com intervalo mínimo de quatro semanas entre as doses, sem dose de reforço.

 

A meta do município é atingir 90% de cobertura vacinal. A vacina contra COVID-19 pode ser administrada na mesma ocasião de outros imunizantes do calendário nacional de vacinação e com outros medicamentos.

 

A vacina contra a COVID-19 está disponível em todas as salas de vacina do município. Caso ocorra dúvidas sobre a necessidade ou não de receber a vacina, a pessoa pode procurar a unidade de saúde mais próxima para solicitar a conferência de seu calendário vacinal.